Perguntas frequentes

soluções

O que é “marisco sustentável”?

“Marisco sustentável” deve cumprir os critérios seguintes:

  • o produto é rastreável (sabemos de onde vem)
  • o pescador ou produtor tem cuidado com os habitats marinhos
  • o pescador ou produtor tem cuidado com as espécies ameaçadas de extinção
  • o pescador não pesca mais do que o que pode ser reposto
  • o pescador ou produtordeve preocupar-se com condições de trabalho justas e com as necessidades das comunidades pescatórias
Deve escolher marisco local ou importado?

A melhor opção é sempre marisco local que é pescado de forma sustentável. Fortalece a economia regional e tem pouca circulação. Para garantir o que o marisco local é pescado de forma sustentável, verifique as nossas recomendações ou o guia de pesca da WWF no seu país.

No entanto, a Europa é o maior importador de marisco do mundo e uma grande parte destas importações são provenientes de países em desenvolvimento. De acordo com a FAO, 61% das exportações globais de peixe, em termos de quantidade, provêm de países em desenvolvimento.[1] Ao comprar marisco importado de fontes sustentáveis, os consumidores podem fortalecer as comunidades costeiras dos países em desenvolvimento, ao mesmo tempo que preservam os stocks de peixe e o seu ambiente natural. Os meios de subsistência e a segurança alimentar dos pescadores depende altamente da pesca e da aquicultura geridas de forma sustentável.

[1] Food and Agriculture Organization of the United Nations (FAO). www.fao.org/news/story/en/item/214442/icode

O que significa “rótulo biológico-UE”?

 

Os agricultores, comerciantes e processadores de produtos biológicos devem cumprir requisitos rigorosos da UE. Estes requisitos estipulam, a utilização de proteaginosas orgânico e de matérias-primas provenientes da pesca sustentável de peixes carnívoros. Além disso, o rótulo orgânico-UE requer reprodutores biológicos, proíbe o fornecimento de hormonas ou derivados de hormonas e requer produção humana. A conformidade é monitorizada periodicamente. Os rótulos de produtos biológicos devem conter o nome do produtor, processador ou distribuidor que manipulou o item pela última vez. O nome ou número de código da autoridade de certificação nacional também deve constar no rótulo.

Além do rótulo biológico da UE (abaixo), vários outros cumprem, ou até mesmo excedem, as rigorosas normas da UE para produção biológica. Consulte as recomendações da WWF no seu país.

EU organic logo

O que significa “MSC”?
  • O rótulo do Conselho de Proteção Marinha (MSC) nos mariscos garante que a pesca certificada cumpre os três princípios seguintes:

    • stocks de peixe sustentáveis: A atividade piscatória deve estar a um nível que garanta a sua potencial continuidade indefinida sem prejudicar a vitalidade de determinados stocks de peixes
    • minimizar o impacto ambiental: as operações piscatórias devem ser geridas de modo a manter a estrutura, produtividade, função e diversidade do ecossistema.

    gestão eficaz: a pesca deve respeitar as respetivas leis e garantir uma gestão em sintonia com a evolução da situação.[1]

Saiba mais em: www.msc.org

[1] https://www.msc.org/about-us/standards/fisheries-standard/msc-environmental-standard-for-sustainable-fishing

O que significa “ASC”?

Escolher produtos com certificação ASC significa comprar marisco sustentável produzido em aquicultura. O Conselho de Gestão da Aquicultura (ASC) é um programa de certificação e rotulagem para marisco produzido em viveiro de forma responsável. Mesas redondas realizadas entre representantes da indústria da aquicultura, retalho e do setor da restauração, ONGs, e comunidades científicas e governamentais levaram à definição de 8 normas para produção responsável em viveiro, cobrindo 12 espécies: tilápia, pangasius, salmão, truta, camarão, bivalves (mexilhões, amêijoas, ostras e vieiras), abalone e seriola/cobia. A função principal do ASC é gerir normas globais para aquicultura responsável e transformar a aquicultura em sustentabilidade ambiental e responsabilidade social.

Saiba mais em: www.asc-aqua.org

O que é a aquicultura?

Mais de metade do marisco que comemos provém de viveiros[1].

Viveiros de marisco – também conhecido como aquicultura – é o maior sistema de produção alimentar com mais rápido crescimento no mundo.

A rápida expansão da indústria da aquicultura não surgiu sem ter impactos. Como uma organização de conservação, a WWF está preocupada com os efeitos negativos que a indústria teve –– no ambiente e na sociedade. Sabemos que quando feito de forma responsável, o impacto da aquicultura nas populações de peixes selvagem e nos ecossistemas marinhos pode ser reduzida significativamente e de forma mensurável e as comunidades costeiras podem beneficiar.[2]

[1] http://www.oecd-ilibrary.org/docserver/download/5115021e.pdf?expires=1441617358&id=id&accname=guest&checksum=2E9BEFCEF310CC39CFB2B51FB88309DE

[2] http://www.worldwildlife.org/industries/farmed-seafood

Devo escolher marisco de aquicultura ou marisco selvagem?

Não existe nenhum “sim” ou “não” geral como resposta a esta pergunta. Certamente, o peixe selvagem é visto como um produto saudável e natural, derivado de um ambiente natural e, como tal, intrinsecamente “biológico”. No entanto, os nossos oceanos já estão esgotados devido a décadas de pesca insustentável e não irão proporcionar recursos suficientes para satisfazer a procura de marisco para uma crescente população mundial – que se espera que atinja 9 mil milhões em 2050. Por outro lado, a aquicultura vai continuar a expandir-se nos próximos 15 anos para satisfazer a crescente procura e preencher a lacuna entre a oferta e a crescente procura[1].

Através de melhores práticas, apoiadas por investimentos em inovação técnica, forte regulamentação e legislação, a aquicultura pode potencialmente reduzir a pressão sobre a pesca, minimizar os impactos ambientais e beneficiar as pessoas de países em desenvolvimento.

Como a maior mercadoria comercializada no planeta, precisamos garantir que o marisco que comemos – selvagem ou de viveiro – provém de fontes sustentáveis[2].

[1] http://wwf.panda.org/?246150/Where-will-the-fish-be-in-15-years

[2] http://www.wwf.ca/conservation/oceans/sustainable_seafood/

ameaças

O que é “sobrepesca”?

Sobrepesca ocorre quando são capturados mais peixes do que a população pode substituir através da reprodução natural.

Capturar tantos peixes quanto possível pode parecer uma prática lucrativa, mas a sobrepesca tem consequências graves. Os resultados afetam não só o equilíbrio da vida nos oceanos como também o bem-estar social e económico das comunidades costeiras, que dependem do peixe para a sua subsistência.
Os esforços de pesca cada vez maior levados a cabo nos últimos 50 anos e as práticas de pesca insustentáveis estão a levar a que muitos stocks populacionais de peixe estejam à beira do colapso. Muitos pescadores estão cientes da necessidade de salvaguardar as populações de peixe e o ambiente marinho. A WWF trabalha com as partes interessadas para reformar a gestão das pescas a nível global, focando-se em práticas sustentáveis que preservem os ecossistemas mas que também mantenham os meios de subsistência e garantam a segurança alimentar.[1]

[1] http://www.worldwildlife.org/threats/overfishing

Porque é que a WWF não recomenda não comer peixe e marisco?

A proteína de peixe representa um componente nutricional crucial e, como tal, é vital para a segurança alimentar mundial. Em 2010, o peixe representou 16,7% do consumo de proteína animal da população mundial e 6,5% de todas as proteínas consumidas. Além disso, o peixe forneceu a mais de 2,9 mil milhões de pessoas, quase 20% da sua ingestão de proteína animal e a 4,3 mil milhões de pessoas cerca de 15% dessa proteína[1]. Além disso, mais 800 milhões de pessoas[2] dependem da captura, processamento, produção e venda de peixe e marisco. Nos últimos anos, o número de postos de trabalho neste ramo aumentou, mais até do que a população mundial tem[3]. Quando comparamos o peixe de viveiro com outros animais criados em viveiro que servem para consumo humano, podemos ver que o peixe de viveiro apresenta uma conversão alimentar mais eficaz: são utilizados menos alimentos para criar peixe do que para criar vacas, porcos ou frangos. A pegada de carbono para criar peixes em viveiro é também significativamente menor do que a pegada de carbono para criar a maioria dos animais de quinta terrestres e pode até atingir o nível da produção agrícola.[4].

Comer marisco afeta certamente o ambiente através de práticas insustentáveis de cultura ou pesca, mas se garantirmos que o marisco provém de fontes sustentáveis, pode ser uma opção melhor do que muitas outras alternativas alimentares.

[1] FAO (Food and Agriculture Organization of the United Nations). The State of World Fisheries and Aquaculture 2014. Rome. Page 66. http://www.fao.org/fishery/sofia/en

[2] HLPE, 2014. Sustainable fisheries and aquaculture for food security and nutrition. A report by the High Level Panel of Experts on Food Security and Nutrition of the Committee on World Food Security, Rome 2014. Page 34. http://www.fao.org/3/a-i3844e.pdf

[3] Food and Agriculture Organization of the United Nations (FAO). The State of World Fisheries and Aquaculture 2014. Rome. Page 5; http://www.fao.org/fishery/sofia/en

[4] Global Salmon Initiative. GSI Sustainability Report. http://www.globalsalmoninitiative.org/sustainability-report/

O que é “captura acessória” (bycatch)?

Onde existe pesca, existe captura acessória. Captura acessória é a captura que não é utilizada (que é principalmente descartada) ou não gerida[1]. A captura acessória ocorre geralmente porque a arte de pesca moderna é muito forte, cobrindo muitas vezes uma área extensa e que pode ser altamente não seletiva – significando que captura não só as espécies alvo como também muitas outras espécies. [2]
Cerca de 40% da pesca global é feita por captura acessória. Estes animais são muitas vezes atirados de volta para o mar, mortos ou a morrer. [3]

[1] DAVIES RWD, et al. Defining and estimating global marine fisheries bycatch. Marine Policy (2009), doi:10.1016/j.marpol.2009.01.003. http://wwf.panda.org/about_our_earth/all_publications/?160861/Defining-and-estimating-global-marine-fisheries-bycatch

[2] http://wwf.panda.org/about_our_earth/blue_planet/problems/problems_fishing/fisheries_management/bycatch222/

[3] DAVIES RWD, et al. Defining and estimating global marine fisheries bycatch. Marine Policy (2009), doi:10.1016/j.marpol.2009.01.003; http://wwf.panda.org/about_our_earth/blue_planet/publications/?160861/Defining-and-estimating-global-marine-fisheries-bycatch

Por que não utilizamos tudo o que é capturado?

A pesca sustentável depende, em parte, de uma gestão eficaz da pesca que define os limites de captura para uma espécie alvo e evita a pesca não seletiva de outras espécies e/ou de peixes subdimensionados. Comer tudo o que é capturado significaria que iríamos comer espécies de peixes aleatoriamente, independente da sua abundância ou estado dos stocks. Comer peixe subdimensionado agravaria a situação uma vez que cada vez menos peixes atingiriam a maturidade, iniciariam a reprodução e reconstituiriam os stocks populacionais de peixe. Sem uma regulamentação rígida não seria possível gerir os stocks de peixe de modo a garantir um rendimento sustentável e existiria o risco de colapso dos stocks.

O que é “pesca pirata”, “pesca ilegal” ou “pesca IUU”?

A pesca ilegal, não declarada e não regulamentada (IUU) é um grave problema mundial que contribui para a sobrepesca, cria uma concorrência desleal e impede a pesca sustentável. Como resultado, uma melhoria da monitorização, controlo e vigilância tem sido uma importante preocupação dos criadores de políticas de pesca durante décadas.[1]

A pesca IUU constitui 30% das quantidades anuais de peixe.[2] Isto afeta muitas vezes espécies cujos stocks já sofrem gravemente de sobrepesca. Também ameaça os meios de subsistência de cada pessoa, cuja existência depende de oceanos saudáveis e da sua prosperidade. A diretriz da UE sobre rotulagem obrigatória para peixe e marisco está a ajudar a melhorar a situação.

[1] http://www.wwf.eu/what_we_do/natural_resources/fisheries/iuu/

[2] Expert Panel on Legal and Traceable Wild Fish Products. March 2015. Page 8. http://passthrough.fw-notify.net/download/417715/http://solutions-network.org/site-legaltraceablefish/files/2015/03/EPLAT_FinalReport_March2015_Webview.pdf

Share This