Capturas acessórias (Bycatch) – um tema lamentável

Cerca de 40% do pescado mundial é capturado acidentalmente e é parcialmente atirado de volta ao mar, morto ou a morrer.

O peixe que acaba nos nossos pratos tem muitas vezes um inquietante passado. Muitas vezes, não se trata apenas da captura da espécie desejada, mas também da de muitos outros animais indesejáveis – a chamada captura acessória (ou Bycatch).

Estatística global da captura acessória: mortos acidentalmente por ano .…[1]

  • 300,000 pequenas baleias e golfinhos
  • 250,000 tartarugas cabeçudas postas em perigo e, criticamente em perigo, as tartarugas de couro
  • 300,000 aves marinhas, incluindo 17 espécies de albatroz

No total, 38 milhões de toneladas de criaturas marinhas são capturadas não intencionalmente. Isto representa 40% do pescado mundial. Uma grande quantidade deste ou é lançado de volta ao mar como ‘lixo’, mortos, moribundos ou gravemente feridos, ou eliminados em terra. Para algumas espécies, é ainda maior: para 1 quilo de camarão, podem ser encontradas nas redes 5 a 20 quilos de capturas acessórias![2]

Esta pesca comercial, não seletiva é, portanto, uma das maiores ameaças para as espécies marinhas. Um desperdício enorme que está a conduzir espécies completas à beira da extinção e que está a ameaçar a base da pesca e a destruir o sensível habitat marinho – para não mencionar a questão de como podemos achar que é ético tratar criaturas vivas como se de resíduos de produtos se tratassem.

As redes de emalhar e operações malhadeiras estão entre as mais perigosas técnicas de pesca. As redes de emalhar, com até 30m de altura, ou permanecem penduradas apenas sob a superfície da água ou estão ancoradas ao fundo do mar. Os peixes de um determinado tamanho são apanhados pelas suas guelras e barbatanas mas muitas baleias e golfinhos também são capturados nas redes, não conseguindo chegar à superfície para respirar morrendo dolorosamente. Hoje em dia, as capturas acessórias representam, na verdade, a maior ameaça a espécies de mamíferos marinhos ameaçados no mundo. Só no Paquistão, 1.200 golfinhos morrem todos os anos nas operações malhadeira de atum.[3]

Mas não tem que ser assim – há muitos métodos de pesca mais inteligentes que reduzem significativamente as capturas acessórias: As redes com as aberturas para as tartarugas poderem nadar para cima e para fora, os ganchos especiais para evitar as capturas acessórias de tartarugas ou o uso de cheiros para dissuadir os tubarões do isco em linhas longas. Estes são apenas alguns exemplos de métodos de pesca seletiva que reduzem significativamente as capturas acessórias.

A pesca sustentável não significa apenas capturar a quantidade da espécie desejada que não coloque em risco o stock. Significa também evitar as capturas acessórias para pôr fim a este triste capítulo da nossa relação com as espécies marinhas.

mostrar referências do texto

[1] WWF Síntese sobre Capturas Acessórias. http://wwf.panda.org/about_our_earth/all_publications/?166941/Bycatch-Factsheet

[2] DAVIES RWD, et al. Definição e estimativa da pesca marítima global das capturas acessórias. Política Marítima (2009), doi:10.1016/j.marpol.2009.01.003; http://wwf.panda.org/about_our_earth/blue_planet/publications/?160861/Defining-and-estimating-global-marine-fisheries-bycatch

[3] WWF Paquistão. 2014. A Avaliação da Mortalidade Catacean no domínio da Pesca do Atum do Paquistão. http://iotc.org/documents/assessment-cetacean-mortality-tuna-fisheries-pakistan

%

de peixes mundialmente capturado bycatch

Share This